quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Poema - 16

MULHER



Rapariga frágil
e delicada,
copo de água na minha lembrança!
Beleza que não foi achada!
Jeito ágil de dança!


Estátua mais perfeita
do que essas que os museus
ignóbeis ostentam
desprezando Deus
e as obras que os seus dedos aguabentam!


Cegos às maravilhas,
os homens
emporcalham as formas que são filhas
das águas e das aves,
e desdenham, imundos e nojentos,
os teus gestos suaves.


Deus é meu amigo
e, querendo abrandar a minha febre,
mandou-me ter contigo
- Depurado pascigo mordendo o azebre
do mundo estúpido e inimigo - .


SAUL DIAS

5 comentários:

Sofia disse...

maravilhoso poema sobre a mulher! É-nos dedicado por ti?! ;))

Sofia disse...

Responderei ao mail, com muito gosto, assim que ele chegar. Mas não chegou nenhum mail teu hoje!

Manelinha disse...

Bonito hoje é o dia da mulher??
Pode ser todos os dias.
Obrigada pelo poema.
Lembrou-me a minha adolescência.
Abraço

Manuela

Sofia disse...

Então, estava bem respondidinho?! loloool

elvira carvalho disse...

Linda homenagem Joseph.
Um abraço e bom fim de semana