segunda-feira, 31 de março de 2008

As minhas músicas favoritas - 20



Canção: Stand Beside Me (Balada country)
Intérprete: Jo Dee Messina

(Não consegui um registo interpretação, pelo que postei um registo com base em fotos da Jo Dee Messina e a voz original)

Para ouvir este vídeo, desligue primeiro a música, à direita, se estiver a tocar

As minhas músicas favoritas - 19



Canção: Aline (nº.1 pelo Mundo em 1965)
Intérprete: Christophe

Para ouvir este vídeo, desligar primeiro a música, à direita, se estiver a tocar.

domingo, 30 de março de 2008

Poesia sensual... pela noite adentro.



EXCITAÇÃO POÉTICA

Quando escrevo, eu me excito
Só, de amor, pensar em ti...
Sinto as entranhas ardendo,
Vou com prazer remoendo
O que contigo vivi.

Ondas de calor me afagam,
Sofro a dor dos desejos.
E cada verso transpira
A excitação que me inspira
A buscar mais por teus beijos.

Cada poema que faço
É como amor fazer:
Tomar-te em mim, amado,
Sentir teu corpo adorado
Penetrando em meu querer...

Rolam as letras que traço
Como rolamos nós dois...
E permanecem mostrando,
Nosso prazer expressando
Antes, durante... e depois...

Maraína Bastos

sábado, 29 de março de 2008

Michel Polnareff - Um ídolo da música francesa...



Canção : La poupée qui fait non (1968) - (Um sucesso francês).
Intérprete: Michel Polnareff - Versão Original.




Canção: La poupée qui fait non (versão censurada).
Intérprete: Michel Polnareff - (com o estilo e o guarda-roupa que o tornaram famoso. Oiça 50" de sonho a meio da canção)

Para ouvir os vídeos, desligue primeiro a música, à direita, se a mesma estiver a tocar.

sexta-feira, 28 de março de 2008

Aditamento, ao post de ontem... "Lição de Vida!"...

TRANSEXUAL MASCULINO, CASADO, VAI DAR Á LUZ UMA MENINA EM JULHO...

É
um caso a mobilizar as atenções do Mundo. Thomas Beatie, um transexual masculino de Oregon (EUA), casado, dará à luz um menina em Julho. A comunidade médica e a família opõem-se vigorosamente a esta gravidez.

De acordo com a revista "The Advocate", Beatie - que está no quinto mês de gestação -submeteu-se a uma operação para eliminar os seios e a um tratamento de testosterona durante o processo de mudança de sexo, mas conservou os seus orgãos reprodutores.

Beatie é casado há mais de dez anos com Nancy, que teve de se submeter a uma histerectomia devido a uma doença. Como ambos desejavam muito ter um filho, o casal decidiu que Beatie tentaria engravidar através de uma inseminação artificial.

Contudo, o plano do casal teve a oposição de médicos e familiares.

Após "correrem" nove médicos e gastarem milhares de dólares, conseguiram aceder a um banco de esperma. Depois de uma primeira tentativa mal sucedida, Beatie, finalmente, engravidou.

-c/agências/CorreiodaManhã(Paulo Madeira)2008.03.28

quinta-feira, 27 de março de 2008

Lição de vida!....



HOMEM AMERICANO ESTÁ MESMO "GRÁVIDO"!


O norte-americano Thomas Beatie (foto) está prestes a virar uma página na história da sexualidade humana.

Este homem, que reside no Estado de Oregon, está..."grávido".

Diz que a maternidade está a ser uma experiência incrível. E gaba muito a mulher, por estar a apoiá-lo incondicionalmente.

A história, contada pelo jornal "The Sun", explica-se:

Thomas nasceu mulher, mas mudou de sexo e casou-se. O problema é que a mulher, Nancy, teve de retirar o útero por motivo de doença. Como o casal queria ter um filho, Beatie decidiu "reduzir-se" à sua feminilidade, como o próprio diz.
E engravidou.

Aguardam, ansiosamente, pelo nascimento da sua filha.


pesquisa net/24h/2008.03.27

segunda-feira, 24 de março de 2008

As minhas músicas favoritas - 18



Canção: Capri c´est fini.... (canção francesa de 1965 - Ícone)
Intérprete: Hervé Vilard

Para ouvir esta canção, desligue primeiro a caixa de música, à direita, se estiver a tocar.

domingo, 23 de março de 2008

JESUS: "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao PAI a não ser por MIM".( Jo, 14:06.).



- Narração da Vida de JESUS CRISTO.

Para ouvir o video desligue primeiro a música, à direita, se estiver a tocar.

DOMINGO DE PÁSCOA - A Ressurreição....



Páscoa significa «passagem».

A origem desta festa perde-se na noite dos tempos. Inicialmente, era uma festa de pastores, que no início da primavera, imolavam um cordeiro do rebanho. Os hebreus transformaram esta festa pastoril no «memorial» da libertação do Egipto. Era imolado o cordeiro pascal, sinal da «passagem» de Deus, que faz passar o povo eleito da escravidão para a terra da liberdade.

Para os cristãos é a festa principal do ano litúrgico, em se «comemora» a morte de Cristo na Cruz e a Sua Ressurreição. É sempre «passagem», intervenção de Deus, que ressuscita o Filho, morto na Cruz, naquele extremo despojamento e aparente abandono. De algum modo, Deus rompe o silêncio, ressuscitando Jesus, que passa da morte à vida e da Paixão à Ressurreição: passa deste mundo para o Pai, para a esfera divina, também na Sua humanidade, agora gloriosa.

1. Este homem, que vós eliminastes, «suspendendo-O na Cruz, Deus ressuscitou-O ao terceiro dia e permitiu-Lhe manifestar-Se… a nós que comemos e bebemos com Ele, depois de ter ressuscitado dos mortos». É o testemunho dos Apóstolos, como escutámos na 1ª leitura.

Ninguém presenciou o momento da Ressurreição de Jesus. Não há – digamos assim - «vestígios históricos», que possam ser documentados pelos historiadores. A Ressurreição de Jesus é real, mas transcende a história. Só é acessível aos olhos da fé, baseada no testemunho apostólico. O que os Apóstolos testemunham é que encontraram o sepulcro vazio, naquela manhã de Páscoa e que o Ressuscitado «Se mostrou» a eles, em diversas ocasiões, até «subir ao céu», isto é, voltar para o mundo de Deus.

Como escutámos, no texto evangélico, «Maria Madalena foi de manhãzinha… ao sepulcro e viu a pedra retirada do sepulcro. Correu então e foi ter com Simão Pedro e com o outro discípulo que Jesus amava e disse-lhes: “levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram”. Pedro partiu com o outro discípulo e foram ambos ao sepulcro». Simão Pedro «entrou no sepulcro e viu as ligaduras no chão e o sudário…, enrolado à parte. Entrou também o outro discípulo…: viu e acreditou».

«Viu» o quê? O sepulcro vazio e lembrou-se, então, do que dizia a Escritura, «segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos». «O discípulo que Jesus amava» - seja ele quem for historicamente – representa o discípulo ideal, que, com a intuição do amor, sabe descobrir os sinais da Ressurreição.

2. Ser cristão é acreditar em Jesus Ressuscitado. Como aconteceu com os Apóstolos, a nossa é uma fé pascal, no sentido de tem o seu fundamento na Ressurreição de Jesus: «Se Cristo não ressuscitou é vã a nossa fé» (2 Cor 15, 19) – diz-.nos S. Paulo. Mas Ele ressuscitou, comprovando a Sua pretensão de ser Filho de Deus e Salvador da humanidade.

A nossa é uma fé pascal, porque acreditamos na Ressurreição de Jesus como novo tipo da Sua presença no meio de nós: uma presença real, mas invisível: presença espiritual, porque se realiza por meio do Espírito Santo.

A nossa é uma fé pascal, também porque acreditamos que a Paixão é caminho de Ressurreição. Quem ressuscita é o Crucificado. Não há Ressurreição, sem Paixão. Nós, discípulos do Crucificado Ressuscitado, vivemos «o já» da Ressurreição, garantia da vitória final, no «ainda não» da Paixão, que é condição de vida.

3. Por isso a fé pascal é esperança certa. Não mera probabilidade. A Carta aos Hebreus define a fé como «garantia das coisas que se esperam e certeza das que não se vêem» (11, 1). Como afirma S. Paulo, sofremos como que dores de parto, até se manifestar a libertação total e definitiva. «Porque na esperança é que fomos salvos. Mas, a esperança que se vê não é esperança, pois aquilo que alguém vê, como é que o espera ainda? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos» (Rm 8, 24).

O que não significa resignação, mas esperança activa, que é compromisso de quem acredita na vitória da vida e da história. O que aconteceu com a Cabeça do Corpo, acontecerá também com os membros do Corpo. N’Ele é regenerada a humanidade, na medida em que seguir os Seus «passos» do caminho sofrido da Paixão, cujo desenlace final é a Páscoa da Ressurreição, possibilidade divina das impossibilidades humanas.

É esta esperança, que celebramos na Festa da Páscoa, que é o Domingo, Dia do Senhor Ressuscitado. Faz, pois, todo o sentido que hoje, Domingo de Páscoa, troquemos uns com os outros votos de Festas Felizes, na alegria e esperança de Cristo Ressuscitado.

Boas Páscoas a todos!


+ D. António de Sousa Braga/Bispo/net

sábado, 22 de março de 2008

SÁBADO SANTO (Fim da Semana Santa)...



"Durante o Sábado santo a Igreja permanece junto ao sepulcro do Senhor, meditando sua paixão e sua morte, sua descida à mansão dos mortos e esperando na oração e no jejum sua ressurreição (Circ 73).

No dia do silêncio: a comunidade cristã vela junto ao sepulcro. Calam os sinos e os instrumentos. É ensaiado o aleluia, mas em voz baixa. É o dia para aprofundar. Para contemplar. O altar está despojado. O sacrário aberto e vazio.

A Cruz continua entronizada desde o dia anterior. Central, iluminada, com um pano vermelho com o louro da vitória. Deus morreu. Quis vencer com sua própria dor o mal da humanidade. É o dia da ausência. O Esposo nos foi arrebatado. Dia de dor, de repouso, de esperança, de solidão. O próprio Cristo está calado. Ele, que é Verbo, a Palavra, está calado. Depois de seu último grito da cruz "por que me abandonaste?", agora ele cala no sepulcro. Descansa: "consummantum est", "tudo está consumado". Mas este silêncio pode ser chamado de plenitude da palavra. O assombro é eloqüente. "Fulget crucis mysterium", "resplandece o mistério da Cruz".

O Sábado é o dia em que experimentamos o vazio. Se a fé, ungida de esperança, não visse no horizonte último desta realidade, cairíamos no desalento: "nós o experimentávamos… ", diziam os discípulos de Emaús.

É um dia de meditação e silêncio. Algo parecido à cena que nos descreve o livro de Jó, quando os amigos que foram visitá-lo, ao ver o seu estado, ficaram mudos, atônitos frente à sua imensa dor: "Sentaram-se no chão ao lado dele, sete dias e sete noites, sem dizer-lhe uma palavra, vendo como era atroz seu sofrimento" (Jó. 2, 13).

Ou seja, não é um dia vazio em que "não acontece nada". Nem uma duplicação da Sexta-feira. A grande lição é esta: Cristo está no sepulcro, desceu à mansão dos mortos, ao mais profundo em que pode ir uma pessoa. E junto a Ele, como sua Mãe Maria, está a Igreja, a esposa. Calada, como ele. O Sábado está no próprio coração do Tríduo Pascal. Entre a morte da Sexta-feira e a ressurreição do Domingo nos detemos no sepulcro. Um dia ponte, mas com personalidade. São três aspectos -não tanto momentos cronológicos- de um mesmo e único mistério, o mesmo da Páscoa de Jesus: morto, sepultado, ressuscitado:

"...se despojou de sua posição e tomou a condição de escravo…se rebaixou até se submeter inclusive à morte, quer dizer, conhecesse o estado de morte, o estado de separação entre sua alma e seu corpo, durante o tempo compreendido entre o momento em que Ele expirou na cruz e o momento em que ressuscitou. Este estado de Cristo morto é o mistério do sepulcro e da descida à mansão dos mortos. É o mistério do Sábado Santo em que Cristo depositado na tumba manifesta o grande repouso sabático de Deus depois de realizar a salvação dos homens, que estabelece na paz o universo inteiro".


Vigília Pascal:
A celebração hoje à noite, é uma Vigília em honra ao Senhor, segundo uma antiqüíssima tradição, (Ex. 12, 42), de maneira que os fiéis, seguindo a exortação do Evangelho (Lc. 12, 35 ss), tenham acesas as lâmpadas como os que aguardam a seu Senhor quando chega, para que, ao chegar, os encontre em vigília e os faça sentar em sua mesa.

Pesquisa e foto/net

sexta-feira, 21 de março de 2008

SEXTA-FEIRA SANTA - A Crucifixão de Jesus...



Hoje queremos acompanhar Cristo na Cruz. Recordo umas palavras de São Josemaria Escrivá, numa Sexta-Feira Santa. Convidava-nos a reviver pessoalmente as horas da Paixão: desde a agonia de Jesus no Horto das Oliveiras até à flagelação, a coroação de espinhos e a morte na Cruz. Dizia: atada a omnipotência de Deus por mão de homem levam o meu Jesus de um lado para outro, entre os insultos e os empurrões da multidão.

Cada um de nós há de ver-se no meio daquela multidão, porque foram os nossos pecados a causa da imensa dor que se abate sobre a alma e o corpo do Senhor. Sim: cada um de nós leva Cristo, convertido em objecto de troça, de uma a outra parte. Somos nós que, com os nossos pecados, reclamamos aos gritos a sua morte. E Ele, perfeito Deus e perfeito Homem, deixa-nos agir. Tinha-o predito o profeta Isaías:
maltratado, não abriu a sua boca; como cordeiro levado ao matadoiro, como ovelha muda ante dos tosquiadores.

É justo que sintamos a responsabilidade dos nossos pecados. É lógico que estejamos muito agradecidos a Jesus. É natural que procuremos a reparação, porque às nossas manifestações de desamor, Ele responde sempre com um amor total. Neste tempo da Semana Santa, vemos o Senhor mais próximo, mais semelhante aos seus irmãos os homens... Meditemos umas palavras de João Paulo II:
Quem crê em Jesus crucificado e ressuscitado leva a Cruz como um triunfo, como prova evidente de que Deus é amor... Mas a fé em Cristo nunca se pode dar por pressuposta. O mistério pascal, que reviveremos nos dias da Semana Santa, é sempre actual. (Homilia, 24-III-2002).

Peçamos a Jesus, nesta Semana Santa, que desperte na nossa alma a consciência de ser homens e mulheres verdadeiramente cristãos, para que vivamos face a Deus e, com Deus, face a todas as pessoas.

Não deixemos que o Senhor leve a Cruz sozinho. Acolhamos com alegria os pequenos sacrifícios diários.

Aproveitemos a capacidade de amar, que Deus nos concedeu, para concretizar propósitos, mas sem ficarmos num mero sentimentalismo. Digamos sinceramente: Senhor, nunca mais! Nunca mais! Peçamos com fé que nós e todas as pessoas da terra descubramos a necessidade de ter ódio ao pecado mortal e de repelir o pecado venial deliberado, que tantos sofrimentos causaram ao nosso Deus.

Que grande é o poder da Cruz! Quando Cristo é objecto de riso e de escárnio para todo o mundo; quando está no Madeiro sem desejar arrancar-se desses cravos; quando ninguém daria nem um centavo pela sua vida, o bom ladrão – um como nós – descobre o amor de Cristo agonizante, e pede perdão. Hoje estarás comigo no Paraíso. Que força tem o sofrimento, quando se aceita junto a Nosso Senhor! É capaz de tirar – das situações mais dolorosas – momentos de glória e de vida. Esse homem que se dirige a Cristo agonizante, encontra a remissão dos seus pecados, a felicidade para sempre.

Nós temos de fazer o mesmo. Se perdermos o medo da Cruz, se nos unirmos a Cristo na Cruz, receberemos a sua graça, a sua força, a sua eficácia. E encher-nos-emos de paz.

Ao pé da Cruz descobrimos Maria, Virgem fiel. Peçamos-lhe, nesta Sexta-Feira Santa, que nos empreste o seu amor e a sua força, para que também nós saibamos acompanhar Jesus. Dirigimo-nos a Ela com umas palavras de São Josemaria Escrivá, que ajudaram milhões de pessoas. Diz:
Minha Mãe (tua, porque és seu por muitos títulos), que o teu amor me prenda à Cruz do teu Filho; que não me falte a Fé, nem a valentia, nem a audácia, para cumprir a vontade do nosso Jesus.

(pesquisa net/Opus Dei/joseph)

quinta-feira, 20 de março de 2008

QUINTA-FEIRA SANTA - A Última Ceia...


A Última Ceia (Quadro de Leonardo da Vinci)


Entre os acontecimentos que se sucederam nos últimos momentos de Jesus Cristo , está a Instituição da Eucaristia. Daí decorre a instituição do sacerdócio ministerial e o sinal de serviço marcado pelo amor que é verdadeira entrega. É neste contexto que se situa o LAVA PÉS.
O evangelista João é o único a colocar dentro do contexto da Última Ceia de Jesus com os seus discípulos este episódio em que Jesus se levanta da mesa, depõe o manto, cinge-se com uma toalha e começa a lavar os pés dos discípulos.
É muito interessante podermos citar o texto por completo (Jo.13,1-20) para que o leitor possa perscrutá-lo na Sagrada Escritura, para um entendimento verdadeiro do que Jesus estava fazendo. Vejamos alguns pontos fundamentais:
“Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. Durante a ceia, quando já o diabo pusera no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, o projeto de entregá-lo, sabendo que o Pai tudo pusera em suas mãos e que ele viera de Deus e a Deus voltava, levanta-se da mesa, depõe o manto e, tomando uma toalha, cinge-se com ela. Depois põe água numa bacia e começa a lavar os pés dos discípulos e a enxugá-los com a toalha com que estava cingido” (Jo.13,1-5).
Este gesto não foi criado por Jesus Cristo, e, portanto não era desconhecido pelos seus discípulos. Isso se fazia no Oriente todas as vezes que se entrava em casa vindo de uma caminhada nas estradas, pois, ou se andava com os pés descalços ou revestidos apenas com um tipo de sandália. E, portanto não era diferente com Jesus e os seus discípulos nas estradas poeirentas de toda a Galiléia e região.
Então porque Pedro se recusa, de uma forma tão decidida, a deixar-se lavar por Jesus? “Senhor, tu, lavar-me os pés?... Jamais me lavarás os pés!” (Jo.13,6ss). Pedro sabia muito bem que quem fazia este serviço na casa era o servo, ou o escravo e às vezes a mulher do chefe da casa. Este porém era considerado o serviço mais humilde do escravo e do servo, e isso ele nunca iria aceitar do seu “Mestre e Senhor”.
Jesus aceita ser chamado de Mestre e Senhor e confirma que o é, mas demonstra que este seu gesto não será apenas um sinal de limpeza, purificação ou de acolhida do hóspede que chega. Esta sua atitude manifesta a superação de todo este sentido antigo para expressar, antes de mais nada, a confirmação do seu amor e as suas conseqüências “...tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim”, e, em seguida, para determinar o caminho pelo qual também deverá passar todo aquele que quer ser seu discípulo “...também deveis lavar-vos os pés uns aos outros... dei-vos o exemplo para que , como eu vos fiz, também vós o façais”, palavra que Ele havia dito aos discípulos e que agora tornava visível na sua própria vida através desta atitude “...aquele que quiser ser o primeiro dentre vós, seja o servo de todos. Pois o Filho do Homem não veio para ser servido mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”.
Estamos, portanto diante de uma atitude de Jesus que nos leva a olhar para os diversos aspectos daquele acontecimento, daquela Ceia que era a última, antes de “passar ao Pai”. O primeiro aspecto deste acto foi o despojar-se de Jesus, da sua dignidade de Mestre diante dos discípulos “...depõe o manto... cinge-se com uma toalha, toma uma bacia com água” como fazia o escravo, realizando aquilo que Paulo depois na carta aos Filipenses vai narrar “...mas se despojou, tomando a forma de escravo” (Fil.2,7).
O seu serviço humilde e despojado se realiza até as últimas conseqüências e se manifesta numa entrega profunda de toda a sua vida.
Este é o ponto central da liturgia da Quinta-feira Santa que se realiza na Eucaristia, ou seja, a entrega de Jesus por nós e o convite a que, a partir deste momento, também a nossa vida seja uma entrega ao irmão para realizar a verdadeira comunhão, a “koinonia”, sinal de uma verdadeira comunidade eucarística.
Um outro aceno deste gesto do “Lava-pés” é a lembrança do nosso batismo que nos leva ao significado mais profundo da entrega na cruz.
A água que nos purifica e regenera, nos leva a partilhar com Cristo da vida nova, do homem transfigurado que se reveste da glória de Deus, o Homem novo que sai vitorioso da submissão e do sofrimento misterioso da cruz.
A liturgia de Quinta-feira Santa à noite abre para nós o Tríduo Pascal, onde viveremos todo o mistério pascal tendo como centro a Vigília Pascal, que é a mãe de todas as vigílias celebradas pela Igreja.
Hoje é urgente que este gesto de Jesus aconteça entre nós como um verdadeiro “sacramento de serviço e fraternidade”.




O LAVA-PÉS (Papa João Paulo II)




Pe. Sebastião Fábio Girolamo

quarta-feira, 19 de março de 2008

CORPO DO PADRE PIO vai para exposição.



RESTOS MORTAIS DO SANTO FORAM EXUMADOS EM SEGREDO E ESTAVAM EM BOM ESTADO.

O Padre Pio (1887 – 1968) foi retirado da sua sepultura na Igreja de Santa Maria das Graças, em São Giovanni Rotondo, no passado dia 2, para ser exposto aos fiéis, a partir do dia 24 de Abril.
Assinalando os 40 anos da sua morte, a exumação do corpo deste sacerdote, Santo venerado por supostamente ter curado vários enfermos, foi feita de noite, pela hora em que teria ocorrido a morte, em Setembro de 1968.
Porém, a operação foi feita sigilosamente, para evitar a afluência de fiéis – o Santuário de Padre Pio, é um dos mais visitados de Itália, recebendo milhões de fiéis todos os anos.
Segundo o arcebispo de São Giovanni Rotondo, Domenico D´Ambrosio, algumas partes do corpo estarão intactas. “Vê-se a barba, o queixo está perfeito e o resto do corpo bem conservado. Dá para ver bem o joelho, as mãos e as luvas, mas não os estigmas”, afirmou.
A exumação dos restos do frade, que foi canonizado em 2002, por João Paulo II, causou polémica entre os seus seguidores.
Membros da associação Pró-Padre Pio de Pietrelcina, da cidade de Turim, classificaram a operação como uma profanação.
Por temerem que o corpo seja transferido para outra Igreja, chegaram a pedir o bloqueio da operação.
Os restos do Santo serão reconhecidos oficialmente pelas autoridades do Vaticano e depois analisados para constatar o seu estado de conservação.


Jornal24horas.2008.03.04

terça-feira, 18 de março de 2008

TERÇA-FEIRA SANTA (Semana Santa)...


O dia de terça feira da última semana que Jesus passou na terra, antes da Sua morte na cruz, foi, sem dúvida, o mais movimentado do Seu ministério.

O dia começou bem cedo, com a saída de Jesus e Seus discípulos de Betânia para Jerusalém, e terminou pela noite dentro, num jantar, em Betânia, onde Maria unge Jesus para a sepultura e de onde Judas sai, possuído por Satanás, para trair o seu Mestre, entregando-o aos principais dos sacerdotes e capitães do templo (Lucas 22:1-6).

Pelo meio ficam as respostas dadas pelo Senhor às ardilosas questões dos fariseus, saduceus e herodianos, sobre a sua autoridade, ressurreição dos mortos, tributo, grande mandamento; fica também o discurso escatológico de Jesus, a profecia da destruição de Jerusalém, ensinos sobre a segunda vinda, condenação dos ímpios e galardão dos salvos.

É um dia terrivelmente desgastante e que só Jesus, o Senhor, podia concretizar.

Ele foi fiel, concreto e objectivo. Nada deixou por fazer. Em breve diria:- "Está consumado".

Será que entendemos que só temos que crer na Sua Obra vicária?


(Archote blog/joseph)

segunda-feira, 17 de março de 2008

PLANETA BIZARRO - 11


"SALVOU" 40 COLEGAS, MAS FOI CASTIGADA ?!.....

A história tem todas as componentes para fazer de Amanda Rouse, uma estudante, de 15 anos, uma heroína.

Na passada sexta-feira, dia 14, a adolescente conseguiu parar o autocarro escolar em que seguia (com mais 40 estudantes), depois de o condutor ter desmaiado. Amanda pegou no volante, pôs o pé a fundo no travão, impedindo que os danos fossem mais do que duas batidelas em carros estacionados.

Mas (há sempre um mas), a adolescente está em sarilhos com a escola em que estuda. É que no preciso momento em que “salvou o dia”, Amanda devia estar nas aulas – nem o feito heróico a safou de apanhar uma suspensão.

Heroína para quê?


24h/hoje

domingo, 16 de março de 2008

Música para animar a semana que aí vem.....



Música: Caramelldansen
Intérprete: Hatsune Miku (Animação japonesa)


"Para ouvir o vídeo, desligue primeiro a música, à direita, se estiver a tocar".

sábado, 15 de março de 2008

As minhas músicas favoritas - 17



Música: Lucky Man (Balada)
Intérpretes: Emerson, Lake & Palmer (anos 60)
Vídeo: Imagens baseadas na letra, por não ter encontrado o registo original do conjunto E L & P
.

(Para ouvir o vídeo, desligue primeiro a música do lado direito, se estiver a tocar)

sexta-feira, 14 de março de 2008

Poesia erótica ...pela noite adentro!....



ADIVINHA


I
Se tu és:

Um pinheiro.

Então eu sou:

O vento.

O vento que ao passar assobia entre ti.

II
Se tu és:

Um livro.

Então eu sou:

A mão.

A mão que acaricia a página que já li.

III
Se tu és:

Uma estrela.

Então eu sou:

O céu.

O céu da noite escura que por trás te faz brilhar.

IV
Se tu és:

Uma lágrima.

Então eu sou:

Eu.

Aquele que por amor te bebe ao beijar...



(outubro 18, 2003 , Corpus Blog)

quinta-feira, 13 de março de 2008

Oops de Quinta à noite... 8

video

.... A mulher da limpeza.... (Apanhados!)....

quarta-feira, 12 de março de 2008

Comfortably Numb................."Um espanto!"...



- Os Pink Floyd foram considerados "A melhor banda do Século XX", muito provávelmente pelas músicas do filme "The Wall", onde se inclui este "Comfortably Numb"....com Roger Waters em primeiro plano. (Live - 1980).

Desligue primeiro a música à direita, se estiver a tocar, e só depois ouça esta fabulosa interpretação.

terça-feira, 11 de março de 2008

Poema - 29



D O I - M E




O que me doi

És tu

Doi-me o beijo que me deste antes de partir

Doem-me as palavras que disseste na hora do amor

Doi-me...

Não te ter comigo para te abraçar, para me abraçares

Doi-me não ver os teus olhos a olhar os meus

Doi-me também não ter o teu corpo

Não te poder amar

Não te poder ter

Ai, doi-me!...

Passar por ti e não me veres

Falar contigo e não me ouvires

Ser nada mais que um espaço vazio à tua frente

Doi-me a tua indiferença

Doi-me...

Saber que respiramos o mesmo ar, mas não juntos

Que o céu nos é comum, mas separados

Tudo em ti me doi

E doi muito

Saber que existes sem mim

E existir sem ti!...



(Sofia na Lua - blog).net

segunda-feira, 10 de março de 2008

Na Pista Dos Sorrisos...






É uma subtil tarefa, esta de discriminar formas de prazer risonho. Uma das mais primárias, o cómico, opera por simples desfasamento em relação aos trilhos usuais da vida, fazendo-se acompanhar de um propósito de anárquica “desconstrução” do real.
O cómico, em regra, usufrui da minimização dos outros.
Encontramo-lo nos guizos com que os bobos medievais aturdiam as malfeitorias das dignidades feudais; vemo-lo nos desfiles carnavalescos e em certas figurações caricaturais; reconhecemo-lo no primarismo com que as crianças mofam dos tiques de adultos mais graves.

A ironia, por seu turno, encontra-se no degrau superior do cómico. Tem com ele relações de contiguidade, é certo. Mas assenta no princípio da contradição, da antífrase, praticando uma espécie de “coincidência de opostos”; assim, passa um anão na rua e as almas mais rudes e descaroáveis dirão para o casual acompanhante: “Olha-me aquele gigante!”. E que dizer do humor? É o irmão melancólico dos outros dois. Há nele o subtil reconhecimento das debilidades humanas e das fragilidades do vivido. O humor destila um pouco o perfume do barroco, do elaborado sofridamente nas profundezas do Eu. Trata-se aqui de uma melancolia combativa, como a desse condenado à morte que avança para o cadafalso numa segunda-feira e desabafa para o verdugo:
“Óptimo! A semana começa bem!”.

Pois é! Não basta rir. Urge conhecer a linhagem e os parentescos das diversas formas de riso.
Saibamos sondar-nos através dos risos e sorrisos.


Prof. Dr. Amadeu Carvalho Homem
(Catedrático da Universidade de Coimbra)/”O Renascimento”

domingo, 9 de março de 2008

NAIDE GOMES, Campeã Mundial de Salto em Comprimento.

Portugal e Brasil no podium em Espanha (Valência)




A atleta portuguesa Naide Gomes sagrou-se hoje campeã mundial de salto em comprimento, arrecadando a Medalha de Ouro, ao registar um salto de sete metros, novo recorde nacional de pista coberta e a melhor marca da atleta este ano, nos mundiais de atletismo que decorreram em Valência, na Espanha.

Naide conseguiu a marca dos sete metros no seu quarto ensaio, depois de ter falhado a primeira tentativa e de ter registado 6m82 e 6m87 nos saltos seguintes.


«Trabalhámos muito para chegar aqui em grande nível. Sinto-me mais determinada, com mais empenho e acreditei sempre, mesmo no último ensaio, que podia ganhar, ao contrário do que aconteceu em Osaka. Trabalhei isso mentalmente e tenho que continuar a trabalhar porque vale sempre até ao último ensaio e não nos podemos dar por vencidos», disse a atleta portuguesa no final da prova, onde reconheceu estar «em grande forma este ano».


A brasileira Maurren Higa Maggi efectuou os 6m89 que lhe garantiram a medalha de prata
, mais um centímetro que a russa Irina Simagina, que levou a medalha de bronze.


Assoc. Press/A Bola

sábado, 8 de março de 2008

Oops de Sábado à noite ... 7



- Apanhados Candid Camera (sexy e divertido)
(Desliguem a música, se estiver a tocar, antes de verem o vídeo)

sexta-feira, 7 de março de 2008

DIA INTERNACIONAL DA MULHER.....





PORQUÊ O DIA 8 DE MARÇO

Neste dia, do ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias que, nas suas 16 horas, recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica onde, entretanto, se declarara um incêndio, e cerca de 130 mulheres morreram queimadas. Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher". De então para cá o movimento a favor da emancipação da mulher tem tomado forma, tanto em Portugal como no resto do mundo.




A ti, Mulher...

Que nasceste para amar e ser amada,

Criada para dar vida à própria vida;

E que és ainda tantas vezes maltratada

Nesta sociedade louca, corroída…
.
.

A ti, Mulher…

Que negados vês ainda alguns direitos

E te oprimem da suma liberdade,

Como se fosses serva fiel da sociedade

Neste mundo sujo em preconceitos…
.
.

A ti, Mulher…

Que pela natureza tu és bênção querida…

E em teu peito tens o leito e dás guarida

À ternura, ao carinho e ao amor…
.
.

A ti, Mulher…

Quero exaltar o teu real valor…

Não hoje simplesmente, aqui, agora!

Mas…que o Dia da Mulher – o seja sempre:

- Hoje, amanhã, e a toda a hora,

E te libertes das garras do furor

Desta sociedade incompetente e corrompida!
.
.

A ti, mulher…

Baixa, alta, branca, negra, magra, obesa…

Flor, fruto e semente que dás vida à própria vida;

Que és do carinho e do amor rainha de beleza

Obra-prima e divina da própria Natureza…

Mulher, filha, esposa, mãe ou avó querida…
.
.

A ti, Mulher…

- E sem favor - … Eu quero exaltar

Nos versos que declamo em teu louvor:

- Curvo-me perante ti, Mulher, por seres quem és!

- Deixo estes humildes versos a teus pés!

E neles… em cada palavra uma flor!



(Fernando Reis Costa)

quinta-feira, 6 de março de 2008

Esta japonesa tira-me do sério !!!!.................



HIROKO SATO, a melhor modelo japonesa....devia dar uma grande actriz...............
............ Gosto de ver a miúda posar, saltar, olhar.........................
Desligue a música, à direita, se estiver a tocar. Só depois veja o vídeo.

quarta-feira, 5 de março de 2008

terça-feira, 4 de março de 2008

Regresso, com diálogo sensual..........OLÁ !.......

S A B E S ....




- Sabes o que é realmente bonito de se ouvir? mesmo muito bonito?
- Diz
- Prometes que não gozas?
- Prometo, diz.
- A sério?
- Sério. Diz.
- A coisa mais bonita de se ouvir, mais fantástica, que nos faz sentir bem e em paz, sentindo comunhão e paixão, desejo em comum e partilha
- diz
- que nos explica porque viemos a este mundo e nos comprova que pertencemos a ele
- Desembucha
- que ao primeiro sopro nos mostra estar vivos, e que acima de tudo, somos importantes, pelo menos para alguém somo-lo, é...
- Diz, fala, fala de uma vez...
- tão só... em pequenas partículas de existência e ser
- diz, diz.
- de forma tão singela
- ........
- a respiração da outra pessoa ao nosso lado.

PAULO FERREIRA