quarta-feira, 30 de maio de 2012

Santa JOANA D´ARC - Virgem, Guerreira e Mártir.





Santa Joana d'Arc,  (em francês Jeanne d'Arc), nasceu em Domrémy-la-Pucelle, a 6 de janeiro de 1412 — e morreu (queimada viva) em Ruão- Alta Normandia, a 30 de maio de 1431).  Por vezes chamada de donzela de Orléans, era filha de Jacques d'Arc e Isabelle Romée e é a santa padroeira da França desde 1922. Foi uma heroína da Guerra dos Cem Anos, durante a qual tomou partido pelos Armagnacs, na longa luta contra os borguinhões e seus aliados ingleses.
Descendente de camponeses, gente modesta e analfabeta, foi uma mártir francesa Beatificada em 1909, em Roma por São Pio X, e Canonizada a 16 de Maio de 1920, em Roma, pelo Papa Bento XV, quase cinco séculos depois de ter sido queimada viva.

Filha de Jacques d'Arc e Isabelle Romée, tinha mais quatro irmãos: Jacques, Catherine, Jean e Pierre, sendo ela a mais nova dos irmãos. Sua mãe lhe ensinou todos os afazeres de uma menina da época, como fiar e costurar. Joana também era muito religiosa e frequentemente fugia do campo para ir orar na igreja de sua cidade.

Durante o seu julgamento, Joana afirmou que desde os treze anos ouvia vozes divinas. Segundo ela, a primeira vez que escutou a voz, ela vinha da direcção da igreja e acompanhada de claridade e uma sensação de medo. Dizia que às vezes não a entendia muito bem e que as ouvia duas ou três vezes por semana. Entre as mensagens que ela entendeu estavam conselhos para frequentar a igreja, que deveria ir a Paris e que deveria levantar o domínio que havia na cidade de Orléans. Posteriormente ela identificaria as vozes como sendo do arcanjo São Miguel, Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarida.


Desde que o Duque da Normandia, Guilherme, o Conquistador, se apoderou da Inglaterra em 1066, os monarcas Ingleses passaram a controlar extensas terras no território francês. Com o tempo, passaram a ter vários ducados franceses: Aquitânia, Gasconha, Poitou, Normandia, entre outros. Os duques, apesar de vassalos do rei francês, acabaram tornando-se seus rivais.


Quando a França tentou recuperar os territórios perdidos para a Inglaterra, originou-se um dos mais longos e sangrentos conflitos da história da humanidade: a Guerra dos Cem A
nos, que durou na realidade 116 anos, e que provocou milhões de mortes e a destruição de quase toda a França setentrional.

O início da guerra aconteceu em 1337. Os interesses mais que evidentes de unificar as coroas concretizaram-se na morte do rei francês Carlos IV em 1328. Filipe VI, sucessor graças à lei sálica (Carlos IV não tinha descendentes masculinos), proclamou-se rei da França em 27 de maio de 1328.
Felipe VI reclamou em 1337 o feudo da Gasconha ao rei inglês Eduardo III, e no dia 1 de novembro este responde plantando-se às portas de Paris frente ao bispo de Lincoln, declarando que ele era o candidato adequado para ocupar o trono francês.

A Inglaterra ganharia batalhas como Crécy (1346) e Poitiers (1356). Uma grave enfermidade do rei francês originou uma luta pelo poder entre seu primo João I de Borgonha ou João sem Medo, e o irmão de Carlos VI, Luís de Orléans.

No dia 23 de novembro de 1407, nas ruas de Paris e por ordem do borguinhão, cometeu-se o assassinato do armagnac Luís de Orléans. A família real francesa estava dividida entre os que davam suporte ao duque de Borgonha (borguinhões) e os que o davam ao de Orléans e depois a Carlos VII, Delfim de França (armagnacs ligados à causa de Orléans e à morte de Luís). Com o assassinato do armagnac, ambos os bandos se enfrentaram numa guerra civil, onde buscaram o apoio dos ingleses. Os partidários do Duque de Orléans, en 1414, viram recusada uma proposta pelos ingleses, que finalmente pactuaram com os borguinhões.

Com a morte de Carlos VI, em 1422, Henrique VI da Inglaterra foi coroado rei francês, mas os armagnacs não desistiram e mantiveram-se fiéis ao filho do rei, Carlos VII, coroando-o também em 1422.

Aos 16 anos, Joana foi a Vaucouleurs, cidade vizinha a Domrèmy. Recorreu a Robert de Baudricourt, capitão da guarnição armagnac estabelecida em Vaucouleurs para lhe ceder uma escolta até Chinon, onde estava o delfim, já que teria que atravessar todo o território hostil defendido pelos aliados ingleses e borguinhões. Quase um ano depois, Baudricourt aceitou enviá-la escoltada até ao delfim. A escolta iniciou-se aproximadamente em 13 de fevereiro de 1429. Entre os seis homens que a acompanharam estavam Poulengy e Jean Nouillompont (conhecido como Jean de Metz). Jean esteve presente em todas as batalhas posteriores de Joana d'Arc.

Portando roupas masculinas até sua morte, Joana atravessou as terras dominadas por Borguinhões, chegando a Chinon, onde finalmente se iria encontrar com Carlos VII, após uma apresentação de uma carta enviada por Baudricourt. Chegando a Chinon, Joana já dispunha de uma grande popularidade, porém o delfim tinha ainda desconfianças sobre a moça. Decidiram passá-la por algumas provas. Segundo a lenda, com medo de apresentar o delfim diante de uma desconhecida que talvez pudesse matá-lo, eles decidiram ocultar Carlos VII  numa sala cheia de nobres, ao recebê-la. Joana então teria reconhecido o rei disfarçado entre os nobres sem que jamais o tivesse visto antes. Joana teria ido até ao verdadeiro rei, se curvado e dito: "Senhor, vim conduzir os seus exércitos à victória".

Sozinha na presença do rei, ela convenceu-o a lhe entregar um exército com o intuito de libertar Orléans. Porém, o rei ainda a fez passar por provas diante dos teólogos reais. As autoridades eclesiásticas em Poitiers submeteram-na a um interrogatório, averiguaram sua virgindade e suas intenções.

Convencido do discurso de Joana, o rei entrega-lhe nas mãos uma espada, um estandarte e o comando das tropas francesas, para seguir rumo à libertação da cidade de Orléans, que havia sido invadida e tomada pelos ingleses havia oito meses.

Munida de uma bandeira branca, Joana chega a Orléans em 29 de abril de 1429. Comandando um exército de 4000 homens ela consegue a vitória sobre os invasores no dia 9 de maio de 1429. O episódio é conhecido como a Libertação de Orléans (e na França como a Siège d'Orléans). Os franceses já haviam tentado defender Orléans mas não obtiveram sucesso.

Existem histórias paralelas a esta que informam que a figura de Joana era diferente. Ela teria chegado para a batalha  num cavalo branco, com armadura de aço, e segurando um estandarte com a cruz de Cristo, circunscrita com o nome de Jesus e Maria. Segundo esta outra versão, Joana teria sido apenas arrastada pelo fascínio sobrenatural de seus sonhos e proposta de missão a cumprir segundo a vontade divina e sem saber nada sobre arte de guerra comandou os soldados rudes, com ar angelical, e na sua presença ninguém se atrevia a dizer ou praticar inconveniências. Ela apresentava-se extremamente disciplinada.

Após a libertação de Orléans, os ingleses pensaram que os franceses iriam tentar reconquistar Paris ou a Normandia, e ao invés disto, Joana convenceu o Delfim a iniciar uma campanha sobre o rio Loire. Isso já era uma estratégia de Joana para conduzir o Delfim a Ruão.

Joana dirigiu-se a vários pontos fortificados sobre pontes do rio Loire. Em 11 e 12 de junho de 1429 venceu a batalha de Jargeau. No dia 15 de junho foi a vez da batalha de Meung-sur-Loire. A terceira victória foi na batalha de Beaugency, nos dias 16 e 17 de junho do mesmo ano. Um dia após sua última victória dirigiu-se a Patay, onde sua participação foi pouca


A batalha de Patay, única batalha em campo aberto, já se desenrolou sem a presença de Joana'D arc.
Cerca de um mês após a sua victória sobre os ingleses em Orléans, ela conduziu o rei Carlos VII à cidade de Reims, onde este foi coroado a 17 de julho. A victória de Joana d'Arc e a coroação do rei acabaram por reacender as esperanças dos franceses de se libertarem do domínio inglês e representaram a viragem da guerra.

O caminho até Reims era considerado difícil, já que várias cidades estavam sob o domínio dos borguinhões. Porém, a fama de Joana tinha-se estendido por boa parte do território e fez com que o exército armagnac do delfim fosse temido. Assim, Joana passou sem problemas por sucessivas cidades como Gien, Saint Fargeau, Mézilles, Auxerre, Saint Florentin e Saint Paul.

Desde Gien, foram enviados convites a diversas autoridades para assistir à consagração do delfim. Em Auxerre chegou-se a pensar em resistência por parte de uma pequena tropa inimiga que se encontrava na cidade. Após três dias de negociação foi possível por lá passar sem qualquer problema. O mesmo aconteceu em Troyes, onde as negociações duraram cinco dias. A chegada a Ruão foi em 16 de julho.

Sabe-se que o dia da consagração definitiva do rei francês em Ruão foi em 17 de julho e não foi a cerimônia mais esplêndida do momento, já que as circunstâncias da guerra impediam que o fosse. Joana assistiu à consagração de uma posição privilegiada, acompanhada do seu estandarte.
Teoricamente Joana já não tinha nada mais que fazer no exército já que havia cumprido a sua promessa perfeitamente, havia cumprido correctamente as ordens que as vozes lhe haviam dado. Mas ela, como muitos outros, viu que enquanto a cidade de Paris estivesse tomada pelas tropas inglesas, dificilmente o novo rei poderia ter claramente o controle do reino de França.

No mesmo dia da coroação, chegaram emissários do Duque de Borgonha e  iniciaram-se as negociações para se chegar à paz, ou a uma trégua, que foi finalmente o que se pactuou. Não foi a paz que Joana desejava, mas pelo menos houve paz durante quinze dias. Entretanto a trégua não foi gratuita, já que houve interesses políticos por detrás desta. Carlos VII necessitava tomar Paris para exercer a sua autoridade de rei mas não queria criar uma imagem ruim com uma conquista violenta de terras que passariam a ser seu domínio. Foi isto que o que motivou a aceitar a trégua com o Duque de Borgonha. Foi uma necessidade de ganhar tempo.

Durante a trégua, Carlos VII levou o seu exército até Île-de-France (região francesa que abriga Paris). Houve algumas confrontações entre os armagnacs e a aliança inglesa com os borguinhões. Os ingleses abandonaram Paris dirigindo-se a Ruão (ou Rouen em francês). Restava então derrotar os borguinhões que ainda ficaram em Paris e na região.

Joana foi ferida por uma flecha durante uma tentativa de entrar em Paris. Isto acelerou a decisão do rei em bater em retirada no dia 10 de setembro. Com a paragem o rei francês não expressava a intenção de abandonar definitivamente a luta, mas optava por pensar e defender a opção de conquistar a victória mediante a paz, tratados e outras oportunidades no futuro.

Na primavera de 1430, Joana d'Arc retomou a campanha militar e passou a tentar libertar a cidade de Compiègne, onde acabou sendo dominada e capturada pelos borguinhões, aliados dos ingleses, em 1430.
Foi presa em 23 de Maio do mesmo ano. Entre os dias 23 e 27 foi conduzida à Beaulieu-lès-Fontaines. Joana foi entrevistada entre os dias 27 e 28 pelo próprio Duque de Borgonha, Felipe, o Belo. Naquele momento Joana era propriedade do Duque de Luxemburgo. Joana foi levada ao Castelo de Beaurevoir, onde permaneceu todo o verão, enquanto o duque de Luxemburgo negociava a sua venda. Ao vendê-la aos ingleses, Joana foi transferida para Ruão.

A infanta D. Isabel, filha de D. João I e duquesa de Borgonha (e em cuja honra foi criada por Filipe, o Bom a Ordem do Tosão de Ouro, em Janeiro de 1430, por ocasião da chegada de Isabel ao ducado), poderá ter sido a impulsionadora da perseguição a Joana D'Arc. Não só como Infanta de Portugal, aliada da Inglaterra e de Borgonha, mas porque Joana D'Arc a submetera a cerco quando chegara a Borgonha para se casar com Filipe, o Bom. Implacável (como se vê pela sua atitude perante o seu irmão D. Henrique, o "traidor" da Alfarrobeira), não desisitiu enquanto Joana D'Arc não pagou pela insolência com a própria vida.

Joana foi presa numa cela escura e vigiada por cinco homens. Em contraste com o bom tratamento que recebera na sua primeira prisão, Joana agora vivia os seus piores tempos.

O processo contra Joana teve início no dia 9 de janeiro de 1431, sendo chefiado pelo bispo de Beauvais, Pierre Cauchon. Foi um processo que passaria à posteridade e que converteria Joana em heroína nacional, pelo modo como se desenvolveu e trouxe o final da jovem, e da lenda que ainda nos dias de hoje mescla realidade com fantasia.

Dez sessões foram feitas sem a presença da acusada, apenas com a apresentação de provas, que resultaram na acusação de heresia e assassinato.

No dia 21 de fevereiro Joana foi ouvida pela primeira vez. A princípio ela negou-se a fazer o juramento da verdade, mas logo o fez. Joana foi interrogada sobre as vozes que ouvia, sobre a igreja militante, sobre os seus trajes masculinos. No dia 27 e 28 de março, Thomas de Courcelles fez a leitura dos 70 artigos da acusação de Joana, e que depois foram resumidos a 12, mais precisamente no dia 5 de abril. Estes artigos sustentavam a acusação formal para a Donzela buscando a sua condenação.

No mesmo dia 5, Joana começou a perder saúde por causa de ingestão de alimentos venenosos que a fez vomitar. Isto alertou Cauchon e os ingleses, que lhe trouxeram um médico. Queriam mantê-la viva, principalmente os ingleses, porque planeavam executá-la.
Durante a visita do médico, Jean d’Estivet acusou Joana de ter ingerido os alimentos envenenados conscientemente para cometer suicídio. No dia 18 de abril, quando finalmente ela se viu em perigo de morte, pediu para se confessar.

Os ingleses impacientaram-se com a demora do julgamento. O Conde de Warwick disse a Cauchon que o processo estava demorando muito. Até o primeiro proprietário de Joana, Jean de Luxemburgo, apresentou-se a Joana fazendo-lhe a proposta de pagar pela sua liberdade se ela prometesse não atacar mais os ingleses. A partir do dia 23 de maio, as coisas se aceleraram, e no dia 29 de maio ela foi condenada por heresia.

Joana D´Arc  foi queimada viva em 30 de maio de 1431, com apenas dezenove anos. A cerimónia de execução aconteceu na Praça do Velho Mercado (Place du Vieux Marché), às 9 horas, em Ruão.


Antes da execução ela confessou-se com Jean Totmouille e Martin Ladvenu, que lhe administraram os sacramentos da Comunhão. Entrou, vestida de branco, na praça cheia de gente, e foi colocada na plataforma montada para a sua execução. Após lerem o seu veredicto, Joana foi queimada viva. Suas cinzas foram jogadas no rio Sena, para que não se tornassem objecto de veneração pública. 

Era o fim da heroína francesa.

No ano de 1456, Joana D’arc foi considerada inocente pelo Papa Calisto III. O processo que a condenou a morte foi invalidado e ela virou Santa. E foi proclamada Mártir pela Pátria e da Fé.

O seu dia litúrgico comemora-se a 30 de Maio (hoje).

Créditos: (Wikipédia, Google, Outras fontes, Joseph 1)

terça-feira, 22 de maio de 2012

Santa RITA de CÁSSIA - Religiosa e Estigmatizada.



Santa Rita de Cássia, nascida Rita Lotti (N: Roccaporena, 1381 — F: Cássia, 22 de maio de 1457), foi uma monja agostiniana da diocese de Espoleto, Itália. Foi beatificada em 1627 pelo Papa Urbano VIII e canonizada em 1900, pelo Papa Leão XIII. 

Nascida de devotos pais, Antonio Mancini e Amata Ferri Lotti, que se conheciam como os "Pacificadores de Jesus Cristo", pois os chamavam para apaziguar brigas entre vizinhos era filha única, e foi mãe, viúva, religiosa e estigmatizada. Nasceu em Maio do ano 1381, um ano depois da morte de Santa Catarina de Siena, e foi baptizada com o nome de Margherita. A casa natal de Santa Rita está perto de Cássia, entre as montanhas, a umas quarenta milhas de Assis, na Úmbria, região do centro da Itália que mais santos tinha dado à Igreja (São Benedito, Santa Escolástica, São Francisco, Santa Clara, Santa Ângela, São Gabriel, Santa Clara de Montefalco, São Valentim e muitos mais). 

Sua vida começou em tempo de guerras, terremotos, conquistas e rebeliões. Países invadiam países, cidades atacavam as cidades vizinhas, vizinhos lutavam com os vizinhos, irmão contra irmão. Os problemas do mundo pareciam maiores que a política e os governos eram capazes de resolver. 

Eles não necessitavam de discursos poderosos nem discussões diplomáticas, somente apelavam a Jesus. Sentiam que somente assim se podem apaziguar as almas. Apesar da idade avançada de Amata (62 anos), nem por isso deixavam de confiar em Deus e foi assim que Deus, acredita-se, atendeu às suas preces: conta a história que um anjo apareceu a ela e lhe revelou que daria à luz uma menina que seria a admiração de todos, escolhida por Deus para manifestar a todos os seus prodígios. 

Seus pais, sem ter aprendido a ler ou escrever, ensinaram a Rita desde menina tudo acerca de Jesus, a Virgem Maria e os mais conhecidos santos. Rita, igual a Santa Catarina de Siena, nunca foi à escola para aprender a escrever ou a ler (A Santa Catarina foi, conforme se crê, dada a graça de ler milagrosamente por Jesus Cristo); para Santa Rita seu único livro era o crucifixo. 

Ela queria ser religiosa durante toda sua vida, mas seus pais, Antônio e Amata, avançados em idade, escolheram para ela um esposo, Paolo Ferdinando Mancini, que, embora pertencendo a uma ilustre família, não terá sido uma decisão muito sábia. Mas Rita obedeceu. Os católicos crêem que quis Deus assim dar-nos nela o exemplo de uma admirável esposa, cheia de virtude, ainda nas mais difíceis circunstâncias. 

Tinha 16 anos quando se casou. Depois do matrimônio, seu esposo demonstrou ser bebedor, mulherengo e abusador. Ela padeceu no longo período de dezoito anos que viveu com seu esposo. Muitas vezes bebeu o "cálice da amargura" até a última gota, incontáveis foram os actos de paciência e resignação que praticou, as lágrimas ardentes que derramou. Injuriada sem motivo, não tinha uma palavra de ressentimento; espancada, não se queixava e era tão obediente que nem à igreja ia sem a permissão de seu brutal marido. 

A mansidão, a docilidade e a prudência da esposa, porém, suavizaram aquela rude impetuosidade, conseguindo transformar em manso cordeiro aquele leão furioso. Com que eloquência ensinava às suas vizinhas casadas o modo de manter a paz e a harmonia com seus esposos. Elas, admiradas por nunca terem visto divergências em casa de Rita, iam com frequência consolar-se com ela e expor os dissabores e ultrajes que recebiam de seus maridos.
À imitação de Santa Mônica, Rita lhes respondia: "Lembrai que, desde o momento em que recebemos nossos esposos, como maridos, aceitamo-los como nossos donos e senhores, e assim lhes devemos amor, obediência e respeito, pois isso significa ser casadas! Notai que não tem menos culpa a mulher que fala mal de seu marido do que o marido que, com incorreto proceder, dá ensejo à mulher para que fale mal". Por isso, não permitia que em sua presença se murmurasse dos defeitos alheios. Por esse meio conseguiu desterrar de muitos o péssimo costume de falar mal dos outros. 

Encontrou sua fortaleza em Jesus Cristo, em uma vida de oração, sofrimento e silêncio. Tiveram dois gêmeos, os quais herdaram o temperamento do pai. Rita se preocupou e orou por eles. Depois de vinte anos de matrimônio e oração por parte de Rita, o esposo se converteu, pediu-lhe perdão e lhe prometeu mudar sua forma de ser. Rita perdoou e ele deixou sua antiga vida de pecado. Passava o tempo com Rita nos caminhos de Deus. 

Isso não durou muito, porque, enquanto seu esposo havia se reformado, não foi assim com seus antigos amigos e inimigos. Uma noite, Paolo não chegou em casa. Antes de sua conversão, isso não teria sido estranho, mas no Paolo reformado isso não era normal. Rita sabia que algo havia ocorrido. No dia seguinte, encontraram-no assassinado (havia sido apunhalado até à morte).
Sua pena foi aumentada quando seus dois filhos, Gian Giacomo e Paolo Maria, que eram maiores, juraram vingar a morte de seu pai. As súplicas não conseguiram dissuadi-los. Foi então que Santa Rita compreendeu que mais vale salvar a alma que viver muito tempo: rogou ao Senhor que salvasse as almas de seus dois filhos e que tirasse suas vidas antes que se perdessem para a eternidade por cometer um pecado mortal. O Senhor aparentemente respondeu a suas orações: os dois padeceram de uma enfermidade fatal (provávelmente ceifados pela peste). Durante o tempo de enfermidade, a mãe lhes falou docemente de amor e do perdão. Antes de morrer, conseguiram perdoar aos assassinos de seu pai. Rita esteve convencida de que eles estavam com seu pai no céu. 

Ao estar sozinha, não se deixou vencer pela tristeza e pelo sofrimento. Santa Rita quis entrar no convento com as irmãs agostinianas, mas não era fácil conseguir. Não queriam uma mulher que havia estado casada. A morte violenta de seu esposo deixou uma sombra de dúvida. Ela se voltou de novo a Jesus em oração. Ocorreu então o que se crê como um milagre. Uma noite, enquanto Rita dormia profundamente, ouviu que a chamavam: "Rita, Rita, Rita!" Isso ocorreu três vezes, na terceira vez Rita abriu a porta e ali estavam Santo Agostinho, São Nicolau Tolentino e São João Batista, de qual ela havia sido devota desde muito menina. 

Eles lhe pediram que os seguissem. Depois de correr pelas ruas de Roccaporena, no pico de Scoglio, onde Rita sempre ia orar, sentiu que a levantaram no ar e a empurravam suavemente. Encontrou-se acima do monastério de Santa Maria Madalena em Cássia. Então caiu em êxtase. Quando saiu do êxtase, encontrou-se dentro do monastério, embora todas as portas estivessem trancadas. Ante aquele milagre, as monjas agostinianas não lhe puderam negar entrada.
Finalmente aceita na ordem, consta que ali teria plantado uma roseira (ainda existente), que todos os anos dá flores em pleno inverno. É admitida e faz a profissão nesse mesmo ano de 1417, e ali passa quarenta anos de consagração a Deus. 

Durante seu primeiro ano, Rita foi posta à prova por suas superioras. Foi-lhe dada a passagem da Escritura do jovem rico para que meditasse. Um dia, Rita foi posta à prova por sua Madre Superiora. Para colocar à prova a obediência da noviça, a superiora do convento ordenou-lhe que regasse de manhã e à tarde um galho seco, provavelmente um ramo de videira ressequido e já destinado ao fogo. Rita não ofereceu dificuldade alguma e de manhã e de tarde, com admirável simplicidade, cumpria essa tarefa, enquanto as irmãs a observavam com irônico sorriso. Isso durou cerca de um ano, segundo algumas biografias da santa. 

Rita o fez obedientemente e de boa maneira. Uma manhã, a planta se havia convertido em uma videira com flores e deu uvas que se usaram para o vinho sacramental. Desde esse dia segue dando uvas. 

Rita meditava muitas horas na paixão de Cristo, meditava nos insultos, nos desprezos, nas ingratidões que sofreu em seu caminho ao Calvário. Durante a Quaresma do ano 1443, foi a Cássia um pregador chamado Santiago de Monte Brandone, que deu um sermão sobre a paixão de Cristo que tocou tanto a Rita que, a seu retorno ao monastério, pediu fervorosamente ao Senhor ser participante de seus sofrimentos na cruz. 

Dum modo especial exercitava-se na contemplação dos mistérios da Paixão e Morte de Jesus, a tanto chegou o seu amor na consideração das dores de Jesus que, um dia, prostrada aos pés do Crucificado, pediu amorosamente ao Senhor que lhe fizesse sentir um pouco daquela imensa dor que ele havia sofrido pregado na cruz. Conforme a história, da coroa que cingia a cabeça da imagem do Redentor, desprendeu-se um espinho, que se cravou na fronte da santa, causando-lhe intensíssimas dores até à morte. 

Aquela ferida era, na verdade, um “estigma”, fonte de celestiais doçuras para a Santa, mas, ao mesmo tempo, de desgosto para as religiosas, que não podiam suportar a vista daquela repugnante ferida, vendo-se, por esse motivo, obrigada a viver isolada de suas amadas irmãs. A santa aceitou isso como um novo favor do céu, ficando, assim, livre para tratar mais intimamente com Deus. Ali redobrou as suas penitências, os seus jejuns e as suas orações, esforçando-se em unir-se mais estreitamente com Jesus, seu celestial esposo. A maioria dos santos que têm recebido esse dom exalam uma fragrância celestial. A chaga de Santa Rita, sem dúvida, exalava um odor pútrido, pelo que devia afastar-se das pessoas. Por quinze anos viveu sozinha, longe de suas irmãs monjas. O Senhor lhe deu uma trégua quando quis ir a Roma para o primeiro ano santo. Desapareceu o “estigma” de sua cabeça durante o tempo que durou a peregrinação. Tão pronto quanto chegou de novo a casa, o estigma voltou a aparecer e teve que se afastar de novo das irmãs. 

Os últimos anos de sua vida foram de expiação. Uma enfermidade grave e dolorosa a deixou imóvel sobre sua humilde cama de palha durante quatro anos. Ela observou como seu corpo se consumia com paz e confiança em Deus. Durante a enfermidade, a pedido seu trouxeram-lhe 1 ROSA e 2 FIGOS que haviam brotado de maneira prodigiosa no frio inverno em sua horta de Roccaporena. Ela aceitou tudo sorrindo como um dom de Deus. 


O roseiral de Santa Rita

Santa Rita percorreu o caminho da perfeição, a via purgativa, a iluminativa e a unitiva. Conheceu o sofrimento e em tudo cresceu em caridade e confiança em Deus. O crucifixo foi seu melhor mestre. "Chegou o tempo, minhas queridas irmãs, de sair deste mundo. Deus assim o quer. Muito vos ofendi por não vos ter amado e obedecido como era de minha obrigação, com toda minha alma vos peço perdão de todas as negligências e descuidos. Reconheço que vos tenho molestado por causa desta ferida da fronte, rogo-vos que tenhais piedade das minhas fragilidades. Perdoai minhas ignorâncias e rogai a Deus por mim, para que minha alma alcance a paz e a misericórdia da clemência divina." No convento, só se ouviam os soluços das freiras, mas o sino começou a tocar aparentemente sozinho, anunciando a sua partida deste mundo. Era o dia 22 de maio de 1457 e contava a santa 76 anos de idade. Era o fim de uma vida cheia de sofrimentos. As religiosas pensavam com horror no odor fétido de sua chaga, mas o seu rosto pálido começou a tomar viva cor, a ferida cicatrizou-se e de seu corpo começou a exalar um delicioso perfume. 

Uma das religiosas, Catarina Mancini, que tinha um braço paralítico, quis abraçá-la e assim o fez porque o seu braço ficou curado pela santa. As freiras revestiram o corpo com o hábito de sua ordem e o transportaram para a capela interior do mosteiro. A ferida do estigma na fronte desapareceu e em lugar apareceu uma mancha vermelha como um rubi, a qual tinha uma deliciosa fragrância. 

Devia ter sido velada no convento, mas pela multidão tão grande se necessitou da igreja. Permaneceu ali e a fragrância nunca desapareceu, permanece até aos dias actuais e a todos encanta. Por isso, nunca a enterraram. O ataúde de madeira que tinha originalmente, e onde foi velada por abelhas negras, foi trocado por um de cristal e ficou exposto para veneração dos fiéis desde então. Multidões, todavia, acodem em peregrinação a honrar a Santa e pedir sua intercessão ante seu corpo que permanece INCORRUPTO

A Basílica-Santuário de Santa Rita guarda o corpo da Santa. É o lugar da mais intensa participação e devoção dos peregrinos que se dirigem a Cássia para orar junto dos seus restos mortais. Ao lado está o Mosteiro de Santa Rita. 

O 1º. Milagre: 

O 1º. Milagre atribuído a Santa Rita, terá sido quando os pais, que eram camponeses, a deixaram num berçário à sombra de uma árvore. Vieram algumas abelhas brancas que se aproximaram da boca da menina para lhe daitar mel ou lhe matar a sede. Enquanto as abelhas zumbiam à volta da pequenita, passou perto um camponês que se havia aleijado com uma foice. Ia para a cidade com a mão a sangrar, quando viu o enxame perto da menina. Alarmado pôs-se a agitar os braços para afastar as abelhas. A menina sorriu para ele e as abelhas pareciam dançar. A surpresa foi quando o ferido se apercebeu que a sua mão já não sangrava e se tinha curado naquela altura. 

Outros milagres: 

Em Pergola, lugarejo da Úmbria, havia uma casa pertencente a uma das mais ilustres famílias da Itália, que, pela grande devoção que tinha a Santa Rita, fazia-lhe todos os anos a festa na igreja de Santo Agostinho. Estavam casados há mais de dezoito anos, mas viviam tristes porque não tinham filhos. Recorreram a Santa Rita com fervorosas súplicas, para que lhes alcançasse de Deus o que lhe pediam. O Senhor atendeu a suas orações, dando-lhes dois filhos, que foram a consolação dos pais e a honra da família. 

Na cidade de Valença, no ano de 1688, Santa Rita restituiu a visão a uma menina cega de nascimento, no fim de uma novena que os pais da criança lhe fizeram. 

A Bernardino, filho de Tibério, restituiu Santa Rita a visão de um dos olhos, que tinha perdido por causa de uma ferida: entrando no sepulcro da santa, saiu livre do mal de que padecia. 

Uma mulher nobre, chamada Mateia de César, natural de Rocha, que era surda-muda desde a sua primeira idade, fez uma promessa a Santa Rita. Passou a ouvir e logo falou.

Francisca, natural de Fucella, surda de cinco anos, pela intercessão de Santa Rita, conseguiu ouvir, após lhe rezar três Ave-Marias. No ano de 1457, um homem, natural de Ocone, tremendamente aflito de pedras nos rins, recorreu a Santa Rita e logo se viu livre de tão penoso mal. 

A mãe da menina Josefa Maria prometeu a Santa Rita vestir-lhe um hábito igual ao da santa se a livrasse de um terrível mal do coração. Concedeu-lhe a santa imediatamente a graça. 

Não é menor a graça que recebeu uma criança chamada Ana, cuja garganta foi atravessada por um alfinete, que lhe impedia a respiração. Sendo-lhe aplicada com grande fé uma estampa da santa , no mesmo tempo expeliu o alfinete pela boca. 

Lúcia tinha um filho de pés e mãos entrevados havia muitos anos: untou-os com azeite da lâmpada de Santa Rita e invocou o seu patrocínio; levantou-se o menino completamente são. 

No grande terremoto que sofreram alguns lugares da Itália, em 12 de maio de 1730, contam que o corpo de Santa Rita levantou-se da urna em que estava e, suspenso no ar por espaço de várias horas, reprimiu o golpe do espantoso terremoto, que na cidade de Cássia não passou de ameaça. Esse fato foi confirmado pelo bispo do lugar e divulgado por toda a Europa. 

Outro espantoso facto ocorrido foi quando o superior da Ordem Agostiniana foi visitar o corpo de Santa Rita e o corpo se levantou da urna, suspenso no ar, em sinal de respeito ao superior da ordem. 
*
Essas maravilhas e outras muitas estão arroladas no processo de beatificação de Santa Rita de Cássia, também conhecida como a “Santa das Rosas”, a “Santa dos Impossíveis”,a “Santa das Curas”, etc. 

Oração de Santa Rita de Cássia
 (oração especial para causas impossíveis) 

Ó Poderosa e gloriosa Santa Rita, eis a vossos pés uma alma desamparada que, necessitando de auxílio, a vós recorre com a doce esperança de ser atendida por vós que tem o título de santa dos casos impossíveis e desesperados. Ó cara santa, interessai-vos pela minha causa, intercedei junto a Deus para que me conceda a graça de que tanto necessito (faça o pedido). Não permitais que tenha de me afastar de vossos pés sem ser atendido. Se houver em mim algum obstáculo que me impeça de alcançar a graça que imploro, auxiliai-me para que o afaste. Envolvei o meu pedido em vossos preciosos méritos e apresentai-o a vosso celeste esposo, Jesus, em união com a vossa prece. Ó Santa Rita, eu ponho em vós toda a minha confiança. Por vosso intermédio, espero tranqüilamente a graça que vos peço. Santa Rita, advogada dos impossíveis, rogai por nós. 

O seu dia litúrgico é a 22 de Maio (dia da sua morte), ou seja, (hoje). 

Créditos:(Stefano Dell´Orto,Wikipédia,Google,Joseph 1)

segunda-feira, 14 de maio de 2012

S. MATIAS - Apóstolo e Mártir.



Matias, o apóstolo "póstumo". É assim chamado porque surgiu depois da morte do apóstolo Judas Iscariotes, o traidor, para o substituir. Alguns teólogos se referem a ele como o décimo terceiro apóstolo. Nasceu depois do Messias, em data incerta, no Séc. I, na Judeia, e morreu cerca do ano 80 d.C. (Séc. I), em Jerusalém.  "Depois da Ascensão de Jesus, Pedro disse aos demais discípulos: Irmãos, em Judas se cumpriu o que dele se havia anunciado na Sagrada Escritura: Com o preço de sua maldade se comprou um campo". O salmo 109:8 ordena "Que outro receba seu cargo".

“Convém, então, que elejamos um para o lugar de Judas. E o eleito deve ser dos que estiveram entre nós o tempo todo em que o Senhor conviveu entre nós, desde que foi baptizado por João Baptista até que ressuscitou e subiu aos céus”.
“E foram designados dois: José, de apelido Barsabás, chamado Justo, e Matias…depois tiraram à sorte e a sorte caiu em MATIAS”.(Act 1, 21-26) 

Segundo as palavras de Pedro registadas em Actos 1:21, 22, Matias havia sido seguidor de Jesus durante os três anos e meio do seu ministério e havia estado intimamente associado com os apóstolos. Provavelmente era um dos setenta discípulos ou evangelistas que Jesus enviou para pregar, segundo o relato de Lucas 10:1. Após a sua escolha, ele foi "contado com os restantes onze apóstolos" pela congregação e quando o livro dos  Actos logo depois fala dos "apóstolos" ou dos "doze", isso, lógicamente, já incluía Matias.

Isto aconteceu a apenas poucos dias antes do derramamento do Espírito Santo, no dia de Pentecostes do ano 30 ou 33 d.C., consoante as várias opiniões de alguns estudiosos, dado ter sido a última ocasião mencionada na Bíblia em que se recorreu a sortes para se saber a escolha de Deus num determinado assunto.

As outras informações existentes sobre Matias fazem parte das tradições e dos escritos da época. Esses registros, entretanto, são apenas fragmentos com algumas citações e frases, que foram recuperadas e, segundo os teólogos, são de sua autoria. De facto, existe uma certa confusão entre os apóstolos Matias e Mateus em alguns escritos antigos.


Segundo a tradição Matias evangelizou na Judéia, Capadócia e, depois, na Etiópia. Ele sofreu perseguições e o martírio, morreu apedrejado e decapitado em Colchis, Jerusalém, testemunhando sua fidelidade a Jesus. 


Porém, de acordo com outras referências históricas há versões diferentes, tudo levando a crer que Matias foi mesmo morto em Jerusalém. De acordo com Nicéforo, Matias primeiro pregou o Evangelho na Judéia, seguindo para a Etiópia e, posteriormente, dirigiu-se para região da Cólquida (agora conhecida como Geórgia Caucasiana), onde foi crucificado. Um marco localizado nas ruínas da fortaleza romana de Gônio, actual Apsaros, nas modernas regiões georgianas de Adjara indicam que Matias estará sepultado naquele lugar.

A Sinopse de Doroteu contém esta tradição:
"Matias pregou o Evangelho aos bárbaros e canibais no interior da Etiópia, onde a Baía de Hyssus se encontra, na foz do Rio Fásis. Ele faleceu em Sebastopólis e está sepultado aqui, próximo ao Templo do Sol."

Um trecho dos Actos Coptas de André e Matias localiza a sua actividade similarmente na "Cidade dos Canibais", na Etiópia.

Já a tradição, narrada por Hipólito de Roma, informa que Matias teria morrido em idade avançada em Jerusalém.

Certo é que há registos de que Santa Helena, mãe do imperador Constantino, o Grande, mandou trasladar as relíquias de São Matias para Roma, onde uma parte está guardada na igreja de Santa Maria Maior. O restante delas encontra-se na antiqüíssima igreja de São Matias, em Treves, na Alemanha, cidade que a tradição diz ter sido evangelizada por ele e que o tem como seu padroeiro.

Santa Helena está também ligada ao achado da Cruz em que Jesus Cristo foi crucificado, pois foi ela que mandou procurar debaixo dum templo, a dita Cruz, mandando escavar a terra, já que era hábito os judeus enterrarem os materiais com que faziam as suas vítimas. Foram encontradas as 3 cruzes e mediante um toque milagroso descobriu-se qual era a Cruz em que havia padecido Jesus. As 3 cruzes tocaram um moribundo, mas só a última, a Cruz de Cristo, o curou de imediato.

O dia litúrgico de São Matias é comemorado a 14 de Maio (hoje).


O Evangelho de Matias é um texto perdido dentre os “Apócrifos” do Novo Testamento, atribuído a Matias, o apóstolo escolhido para suceder Judas Iscariotes (Actos 1:15-26). O conteúdo pode ser inferido através de diversas descrições dele em trabalhos antigos dos pais da Igreja. Há pouquíssima evidência para concluir se “Tradições de Matias” é o mesmo tratado, como afirma J.B.Matthews em The Anchor Bible Dictionary (IV:644).

Créditos: (Wikipédia/comShalom.org/alexandrina.balasar.free.fr/Joseph 1)

domingo, 13 de maio de 2012

Hoje é Dia de Nª. Srª. de FÁTIMA - Comemoração da 1ª. Aparição aos Pastorinhos LÚCIA, FRANCISCO e JACINTA em 1917.


Peregrinos hoje no Santuário (13-05-2012)

Celebra-se HOJE o 95º. Aniversário da 1ª. Aparição de Nossa Senhora de FÁTIMA, aos 3 Pastorinhos, JACINTA MARTO, FRANCISCO MARTO e LÚCIA DE JESUS, no local denominado Cova da Iria, cujos terrenos eram pertença dos pais de LÚCIA, que era prima dos irmãos Jacinta e Francisco. Estas crianças tinham, respectivamente, 7, 9 e 10 anos.

Esta Aparição deu-se a um Domingo, por volta das 13.30 horas. Quando os Pastorinhos tocavam as ovelhas de regresso à estrada, apareceu sobre uma azinheira grande “uma Senhora mais brilhante que o Sol, vestida toda de branco, espargindo luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio d´água cristalina, atravessado pelos raios do Sol mais ardente”. A Senhora profere:“não tenhais medo. Eu não vos faço mal”.


Neste instante, Lúcia começa a manifestar-se a guia do grupo. Interroga a Aparição no seu modo simples de falar:”De onde é Vossemecê?”. A Senhora diz:”Sou do Céu”. Lúcia:”E que é que Vossemecê me quer?”. A Aparição:”Vim para vos pedir que venhais aqui seis meses seguidos, no dia 13, a esta mesma hora. Depois vos direi quem sou e o que quero”.

E ocorreu um diálogo entre a Senhora e os 3 Pastorinhos, estes sempre dentro da Luz projectada por Ela. Lúcia falava, porque Lúcia era a única que falava, via e ouvia a Senhora; a Jacinta só via e ouvia e o Francisco só via.

Findo o diálogo (…….), a Senhora afasta as mãos, até aqui erguidas em prece. Antes de se afastar para Nascente, por um caminho de Luz Esplendorosa que a Sua própria irradiação vai rasgando, pede a Lúcia:”Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a Paz para o mundo e o fim da guerra”. (Decorria neste tempo a 1ª. Guerra Mundial que terminaria a 11 de Novembro de 1918 com a aceitação alemã do armistício imposto pelas potências aliadas. “A guerra terminou”, declarou o Marechal Foch. Morreram 9 milhões de pessoas, entre elas muitos Portugueses.).


video 

Antes da Aparição de 1917, a pastora Lúcia e seus primos Francisco e Jacinta foram protagonistas de visões celestiais, aquilo que intitularam de presságios dos acontecimentos da Cova da Iria. Em 1915, Lúcia e mais 3 pastorinhas, Maria Justino, Teresa e Rosa Matias, tiveram 3 visões de uma figura como se fosse uma estátua de neve, no lugar “Monte do Cabeço”. Em 1916, na Primavera, no Verão e no Outono, Lúcia e os primos Francisco e Jacinta, vêem um Anjo, que lhes diz:”Não temais. Sou o Anjo da Paz”. Na Primavera viram o Anjo na Loca do Cabeço, no Verão junto à casa da Lúcia, e no Outono num olival chamado Prégueira, junto aos Valinhos. Ficaram a conhecer a Oração do Anjo: “Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam”.

Há padres e outras pessoas que não acreditam na veracidade das Aparições da Cova da Iria. E dizem os maiores disparates que lhes vêm à cabeça. Esquecem-se que, por exemplo, a JACINTA que morreu em Lisboa, foi sepultada no jazigo da família do Barão de Alvaiázere no Cemitério de Ourém, e quando foi para ser trasladada para Fátima, em Novembro de 1935 (15 anos depois da sua morte), na presença das entidades competentes, foi verificado por uma comissão de médicos que o seu rosto estava INCORRUPTO. A 1 de Maio de 1951, os seus restos mortais vão para a capela lateral esquerda da Basílica do Santuário de Fátima. A cerimónia foi novamente antecedida de exumação e verificação do corpo. Uma vez mais, o rosto da JACINTA encontrava-se INCORRUPTO, ou seja, após 31 anos sobre a data da sua morte, em 1920.

Ainda para esses Ateus(?), Agnósticos(?), que disparatam quando falam, convém lembrar que FÁTIMA não estava ligada a SALAZAR, que não governava o País, nem a grupos religiosos! E a pergunta que se coloca é: Porque é que FÁTIMA “tem que ser uma aldrabice” na boca desses senhores, e as mais de 70 Aparições de Nossa Senhora, pelos mais variados locais e Países, podem ser “verdadeiras”?


Alguém põe em dúvidas as Aparições no Ano 39 ao Apóstolo Santiago, em Saragoça? No ano 352 ao Papa Libério em Roma? No ano 1.208 a S. Domingos de Gusmão na França? No ano 1.432 a Joaneta Varoli em Caravaggio, na Itália? No ano 1.531 a São Juan Diego, em Guadalupe, no México? No ano 1.830 a Santa Catarina Labouré em Paris? No ano 1.858 a Santa Bernardette Soubirous em Lourdes, na França (a quem apareceu 18 vezes?)? No ano 1.981 a 5 adolescentes e a uma criança, ou seja a: Ivanka Ivanković, Mirjana Dragićević, Vicka Ivanković, Marija Pavlović, Ivan Dragićević e o pequeno Jakov Čolo em Medjugorje na Bósnia-Herzegovina?

Hoje é Dia da Mãe em muitos Países, e poderá ser também nos nossos corações! Basta que o queiramos!...Afinal Dia da Mãe é todos os dias!...

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!...

Avé-Maria!...


Créditos: (Jacinta Marto, a novíssima profetisa/DN-Aparições de Fátima/Wikipédia/Joseph 1).

quarta-feira, 9 de maio de 2012

S. ISAÍAS - Profeta (O Maior) e Mártir...



O profeta Isaías, teria vivido entre 765 a.C (nascimento em Jerusalém) e 681 a.C., Séc. VIII e VII, durante os reinados de Ozias, Jotam, Acaz e Ezequias, sendo contemporâneo à destruição de Samaria pela Assíria e à resistência de Jerusalém ao cerco das tropas de Senaqueribe que sitiou a cidade com um exército de 185 mil assírios em 701 a.C.

Isaías, filho de Amoz, era de família nobre e homem de elevada cultura e exerceu o seu ministério no reino de Judá, tendo-se casado com uma esposa conhecida como a profetisa que foi mãe de dois filhos: Sear-Jasube e Maher-Shalal-Hash-Baz.

O profeta Isaías tem o seu livro classificado na secção dos “profetas maiores” do Antigo Testamento, sendo considerado O MAIOR DE TODOS. Tal classificação deve-se à extensão dos escritos, assim como diante do conteúdo de suas mensagens, para além da sua pessoa. Várias foram as designações que lhe foram dadas, tais como “o rei dos profetas”, “o profeta messiânico” e “o profeta evangelista”. Seu livro é considerado por alguns como “a Bíblia em miniatura”.

O capítulo 6 do Livro informa sobre o chamado de Isaías para tornar-se profeta através de uma visão do trono de Deus no templo, acompanhado por serafins, em que um desses seres angelicais teria voado até ele trazendo brasas vivas do altar para purificar seus lábios a fim de purificá-lo de seu pecado (isto no ano em que morreu o rei Ozias – 740 a.C.). Então, depois disto, Isaías ouve uma voz de Deus determinando que levasse ao povo a Sua mensagem.

Focando em Jerusalém, a profecia de Isaías, na sua primeira metade, transmite mensagens de punição e juízo para os pecados de Israel, Judá e das nações vizinhas, tratando de alguns eventos ocorridos durante o reinado de Ezequias, o que se verifica até o final do capítulo 39.
A outra metade do livro (do capítulo 40 ao final) contém palavras de perdão, conforto e esperança.
O cumprimento da profecia é uma das provas mais fortes de que a Bíblia é inspirada por Deus e que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus.  O Novo Testamento cita e aplica mais textos do livro de Isaías do que de qualquer outro profeta do Antigo Testamento.  De facto, Isaías é muitas vezes referido como o "profeta messiânico", por causa das muitas profecias dele que se cumprem especificamente em Cristo.  E ele escreveu essas profecias mais de 700 anos antes do nascimento de Jesus.

O propósito eterno de Deus foi descrito como um "mistério" até ao momento que se revelou plenamente (Colossenses 1:26-27).  Não era um "mistério" no sentido de ser desconhecido por Deus, pois ele decidiu que o seu projecto de redenção residisse em Cristo "antes da fundação do mundo" (Efésios 1:4).  Mas era um "mistério" simplesmente porque os homens procuravam "qual a ocasião ou quais as circunstâncias oportunas, indicadas pelo Espírito de Cristo, que neles estava, ao dar de antemão testemunho sobre os sofrimentos referentes a Cristo, e sobre as glórias que os seguiriam" (1 Pedro 1:11).  Quando os profetas falavam do Messias vindouro, faziam muitas predições específicas que mostravam que a mensagem deles era da parte de Deus, não do homem.  Além do mais, quando as predições específicas se cumprem, não resta dúvida da veracidade que Jesus é o Cristo.

Professias do Livro de Isaías e que se cumpriram:


C 7:14 S "A virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe chamará Emanuel" (Cumprimento: Mateus 1:18-23).
C 8:14 S "Ele . . . será pedra de tropeço e rocha de ofensa" (Cumprimento:  Romanos 9:31-33).
C 28:16 S "Eis que eu assentei em Sião uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa, angular, solidamente assentada" (Cumprimento:  1 Pedro 2:6-8; 1 Coríntios 3:11).
C 22:22 S "Porei sobre o seu ombro a chave da casa de Davi" (Cumprimento:  Apocalipse 3:7; Lucas 1:31-33).
C 35:5,6 S "Se abrirão os olhos dos cegos" (Cumprimento:  Mateus 11:5).
C 53:5,6 S "Pelas suas pisaduras fomos sarados" (Cumprimento:  1 Pedro 2:24-25).
C 53:9 S "Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte" (Cumprimento:  Mateus 27:57-60).
C 53:12 S "Foi contado com os transgressores" (Cumprimento:  Marcos 15:27-28).
C 25:8 S "Tragará a morte para sempre" (Cumprimento:  Lucas 24; 1 Coríntios 15:54).

Deve-se pedir a todo judeu que afirma crer em Isaías como profeta de Deus, mas nega que Jesus é o Messias, que explique Isaías 53.  De quem o profeta estaria falando senão de Jesus?  Ao longo dos séculos, os judeus que rejeitaram a Jesus não procuraram um salvador sofredor, mas Isaías claramente descreve um Messias que seria sacrificado pelos nossos pecados.  Ao lermos Isaías 53, devemos ser levados a chorar de gratidão por compreendermos melhor o amor de Deus manifesto no dom de seu Filho.

Isaías profetizou dizendo que seria "mui disfigurado, mais do que . . . outro qualquer" (Isaías 52:14).  Quando reflectimos em algumas das atrocidades da guerra de nossos dias, essa declaração pode parecer questionável à primeira vista.  Mas, quando nos recordamos de sua vida na terra do começo ao fim, não pomos em dúvida que as infâmias sofridas pelo Filho de Deus ultrapassaram o que qualquer outro homem jamais sofreu.

"Não tinha aparência nem formosura" (Isaías 53:2).  Isso não trata simplesmente de seu aspecto físico, pois o Novo Testamento não nos diz nada a esse respeito.  Mas ele abandonou a glória que tinha junto ao Pai por uma vida sem nada do que normalmente atrai as pessoas a seguir alguém, como riquezas e notoriedade política.  "De Nazaré pode sair alguma cousa boa?" (João 1:46).  "Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens" (Isaías 53:3).  Nem mesmo o seu próprio povo o recebeu (João 1:11).  A cruz não foi a primeira tentativa para matá-lo.  As autoridades judaicas tentaram várias vezes, mas não poderiam matá-lo até que sua hora chegasse (João 12:23-28).  Era "homem de dores" (Isaías 53:3-4).  Ele chorou por causa de Jerusalém, que escondeu assim seu rosto dele.  Na noite em que foi traído, ele disse como sua alma era "profundamente triste" (Mateus 26:36-41).  "Por juízo opressor foi arrebatado" (Isaías 53:8).  Buscaram falsas testemunhas; três vezes Pilatos declarou sua inocência; e mesmo o ladrão na cruz disse:  "Este nenhum mal fez".


Por isso, um dos capítulos mais marcantes do livro seria o de número 53 que menciona o martírio que aguardava o Messias:
"Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados". (Is 53:5)

Também profetizou a destruição das cidades de SODOMA e GOMORRA, (Isaías1:10 a 20).

Quanto à sua "morte" não se encontram registos, e, mais uma vez, encontramos esta informação na tradição rabínica, de que ele teria sido colocado dentro de um tronco de árvore para depois ser serrado ao meio. Contudo Ridderbos (1986, p. 10) argumenta que “de acordo com a tradição rabínica, Isaías sofreu o martírio pela espada, ou foi serrado em dois durante o reinado de Manassés. Contudo, estas tradições tendem a não ser dignas de confiança. Da mesma forma, a referência de Hebreus 11;37 ao martírio de pessoas que foram serradas ao meio não é prova de que esta foi a sorte de Isaías”.
(?) - Segundo um livro “apócrifo” do século I DC, Vidas dos Profetas, escrito por um anônimo judeu da Palestina, o rei Manassés teria mandado serrar Isaías ao meio no ano 681 a.C.- (?)

Vivemos um tempo marcado pelo fim das utopias. O século XX foi tão tenebroso que hoje, os pós-modernos querem apenas celebrar o consumismo. A revelação profética de Deus ao profeta Isaías, nos ensina que sempre haverá esperança por mais complicado que seja o cenário. Mesmo que os carvalhos sejam arrancados da terra, sempre restará uma “santa semente” de esperança. E podemos ensinar isso corajosamente à igreja de hoje, pois o texto revela que Deus tem em suas mãos o desenrolar da história.

O seu dia litúrgico celebra-se a 9 de Maio (hoje).

Créditos: (estudosdabiblia.net/dlgrubba/Wikipédia/Google/Outros)

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Santos FELIPE e TIAGO MENOR - Apóstolos e Mártires.



São FELIPE 

S. Felipe e S. Tiago Menor (O Justo) eram discípulos de Jesus Cristo, tendo pertencido ao grupo dos Doze Apóstolos que conviveram directamente com o Mestre e foram os responsáveis pela disseminação de sua palavra e pela construção da Igreja Católica. 

 S. FELIPE, era casado, tinha 2 filhas e era natural de Betsaida, na Galileia, local onde aconteceu o famoso episódio da revelação de Jesus como Messias, para os Doze. O evangelho de S. João apresenta-nos o apóstolo como aquele que respondeu prontamente ao chamado de Jesus e passou a segui-lo. Felipe era simples, quase ingênuo, e demonstra claramente essas características nas diversas ocasiões em que é citado nos evangelhos. Acredita-se que, no início da Igreja, tenha evangelizado na Frígia, região da Ásia Menor, vindo a morrer em Hierápolis.

Foi S. Felipe que, no dia da multiplicação dos pães, perguntou a Jesus onde havia de arranjar comida para tanta gente. 

 Escritores competentes entendem, que algumas filhas de São Felipe se casaram e que o pai, depois de ter pregado na Judéia, se dirigiu à Cesaréia. Reza mais a história que Felipe foi crucificado e apedrejado em Hierápolis, na Frígia, e sepultado com duas filhas. A morte deste Apóstolo não deve ter sido antes do ano 80, porque foi neste ano, que seu discípulo, São Policarpo, se converteu à religião de Cristo (toma-se assim como certo que terá sido no ano 80). 

As relíquias de São Felipe estão guardadas numa Igreja de Roma, que é consagrada a São Felipe e São Tiago Menor (O Justo). 

Um braço, que existia em Constantinopla, no ano de 1204, foi transportado para Florença. 



São TIAGO MENOR (O Justo) 

S.TIAGO, conhecido como o Menor para o diferenciar do outro apóstolo com o mesmo nome, era filho de Alfeu e de Maria e primo de Jesus. Os apóstolos S. Judas Tadeu e S. Simão eram seus irmãos. São Paulo chama-o "irmão de Nosso Senhor", por causa do parentesco próximo com Jesus Cristo. 

De quão alta estima gozava da parte de Nosso Senhor, se prova por ter Jesus Cristo distinguido São Tiago, com uma aparição particular depois da gloriosa Ressurreição. Antes de subir ao céu, Jesus Cristo deu ao Apóstolo o Dom da ciência, como recompensa pela sua santidade. Segundo São Jerônimo e Epifânio, Nosso Senhor, antes de subir ao céu, teria recomendado a São Tiago a Igreja de Jerusalém. Certamente por esse motivo os Apóstolos, antes da separação, deixaram São Tiago como primeiro Bispo de Jerusalém. 

S. Tiago também nos deixou uma epístola dedicada a todas as igrejas que surgiam nessa região.

A tradição conta que S. Tiago foi martirizado por apedrejamento e decapitado por ordem do Rei Herodes Agripa I, em Jerusalém, em 10 de Abril do ano 62, quando S. Tiago Menor tinha 96 anos. Suas últimas palavras foram: "Pai, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem".

O corpo foi sepultado no lugar do martírio e, após oito anos, Jerusalém foi destruída.

Os Judeus reconheceram nisso o castigo de Deus, tendo o corpo em 572 sido transferido para Constantinopla, e  encontra-se hoje  na Igreja "Dodeci Apostoli", em Roma. 

Uma curiosidade: a tradição histórica conta que as relíquias dos dois santos foram enterradas juntas, no mesmo dia, na Igreja dos Santos Apóstolos, em Roma. Por este motivo, as festas que celebravam a vida de ambos passaram a ser comemoradas no mesmo dia, como uma só festa.

Santificando minha vida: Uma frase tirada da Epístola de S. Tiago, para nossa reflexão: "Todo o dom precioso e toda a dádiva perfeita vêm do alto e descem do Pai das luzes, no qual não há mudança nem sombra de variação." (Tg 1-17)

  O dia litúrgico destes dois Santos Mártires e Apóstolos comemora-se a 3 de Maio.(Hoje)

 Créditos: (Blogs: amaivos/SantosSanctorum/Wikipédia/Google/Outros)