sábado, 10 de novembro de 2007

Poema - 10


DESILUSÃO

Horas dias anos
De perseverança e de lutas
Sózinho
Na vida os livros como companheiros
Vacilantes minhas palavras
São ainda irresolutas
Meus versos desconexos
São desconhecidos marinheiros...

Pontuação, palavras
Versos. contos, frases
Horas de desilusão
De abandono e de loucuras
Meus pensamentos frágeis
São incapazes
Meus contos
Narram sòmente amarguras...

Lágrimas amargas
Em dias amargos
Horas de miséria
De sustos e desenganos
Meus melhores poemas
São mal interpretados
E luto eu enfim
Por isto há tantos anos...

Corvão e Baltazar (Moçambique/69)

3 comentários:

Rui Caetano disse...

Quando estamos com os livros, as vidas que por lá reencontrámos nunca nos deixam sozinhos nem desiludidos. Os livros, se gostarmos dele, é uma cmpanhia atenta e despertadora de tantos sonhos.

Cati disse...

Os livros, a poesia, as palavras, também podem ser portadoras de alegria e calor. Portanto, é assim que gosto de ver as palavras - objectos que podemos dispor ao sabor das nossas emoções, sejam elas positivas ou negativas...

Um bom domingo e um grande obrigada pela visita e pelo comentário no meu espacinho... Volta sempre!!!

Beijinho!

elvira carvalho disse...

Vivi em Moçambique entre dezembro de 69 e fevereiro de 71, sabia?
Por isso o relato do poeta não me é estranho.
Bom Domingo
Um abraço