quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Entre missangas e metralhadoras....


1. Mapa

2. Prato de madeira no lábio inferior

3. Povo Elbore com colar de missangas


As “kalashnikovs” ou “AK-47” armas russas, parecem ser o único toque de modernidade na zona sul de um dos países mais antigos do mundo, isto misturado com a malária doença característica da região.
Estamos a falar da Etiópia, um país africano junto ao Sudão, Uganda, Quénia, Somália, etc.
Existe neste país um rio chamado OMO, cujo vale é património da humanidade pelos seus vestígios do “Homo Gracilis”.
Entre as muitas etnias destacam-se os Karo, os Mursi, os Surma, os Elbore e os Geleb. Os Karo destacam-se pelas suas caras pintadas; Os Surma ou as mulheres Mursi pelo prato de madeira a esticar-lhes o lábio inferior, as palhotas e as casas de adobe; Os Elbore pelos seus colares de missangas e Os Geleb pelas suas peles, os panos coloridos e as pulseiras de metal. As mulheres Geleb só usam uma catana como arma.
Mítico reino da rainha de Sabá, que André Malraux tentou encontrar numa viagem de avião e registou em livro; pátria do prestes João do qual se esperavam notícias na Lisboa de Quatrocentos; país de Hailé Selassié, espécie de deus para Os Rastafari que a música reggae mundializou; a Etiópia, como já se disse, é um dos mais antigos estados independentes e soberanos do mundo.
Mosaico de quase 77 milhões de habitantes, com 45 etnias e 80 línguas, cristãos coptas e muçulmanos, animistas e judeus falachas, o país está dividido em 7 regiões, sendo a capital Addis-Abeba. Eis assim, um pequeno resumo de mais um país por onde os portugueses andaram nos anos quatrocentos.

in DN

1 comentário:

elvira carvalho disse...

Todos os textos que nos ensinam algo sobre outros povos, me encantam. Obrigada pela partilha.
Um abraço