sexta-feira, 4 de abril de 2008

Poesia erótica ...pela noite adentro!....



NÃO VOU PÔR-TE FLORES DE LARANJEIRA NO CABELO

Não vou pôr-te flores de laranjeira no cabelo
nem fazer explodir a madrugada nos teus olhos.

Eu quero apenas amar-te lentamente
como se todo o tempo fosse nosso
como se todo o tempo fosse pouco
como se nem sequer houvesse tempo.

Soltar os teus seios.
Despir as tuas ancas.
Apunhalar de amor o teu ventre.


Carlos Drummond de Andrade

9 comentários:

manuela disse...

Que raio de poema é esse????
MMMMMMMMMM.....
Ah já parece uma anedota que já é muito velhinha.

Bom fim de semana

manuela disse...

Ahhhh!!
Assim está bem já vejo alguma coisa...ou não?
Também estou a ver por um canudo olha aí...

Fui.

Manuela

Kijar disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
cõllybry disse...

Ummmmmmmmmmmm, que dizer?...sempre boa escolha de poemas...este não conhecia,não senhor...

Doce beijo, terno amigo

Arco-íris disse...

Amei a tua escolha...belo poema,não conhecia...
Beijinhos...muitos...

Cöllyßry disse...

Doce amigo, não podia de deixar de vir a agradecer o carinho...já lá não está...

Um bom resto de noite

Doce beijo

Paula disse...

Parabéns para a boa poesia erótica!!!

Marta disse...

Não conhecia este poema...Muito Sensual...
Além de passares pelo Minha Página, visita também o Marcos e Eu. Vais gostar do poema...
Beijos e abraços
Marta

Cati disse...

Que coisa boa...