segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

LÚCIA DE JESUS DOS SANTOS - (A mais velha dos 3 Pastorinhos da Cova da Iria (Fátima), MORREU há 7 anos!...



 Lúcia de Jesus dos Santos - (N: Aljustrel, Fátima, Ourém, 28(e não 22*) de Março de 1907 — F: Coimbra, 13 de Fevereiro de 2005), conhecida no Carmelo como Irmã Lúcia do Coração Imaculado, Ordem das Carmelitas Descalças, e reverenciada por alguns católicos portugueses simplesmente como a Irmã Lúcia, foi, juntamente com Jacinta e Francisco Marto (os chamados «três pastorinhos»), uma das três crianças que viram Nossa Senhora na Cova da Iria, Fátima, durante o ano de 1917, e não só, segundo as suas 6 MEMÓRIAS(editadas em livros).

Filha de António dos Santos e de sua mulher Maria Rosa era a irmã mais nova de sete irmãos: Maria dos Anjos (a mais velha), Teresa de Jesus Rosa dos Santos, Manuel Rosa dos Santos (que emigrou para o Brasil), Glória de Jesus Rosa dos Santos, Carolina de Jesus Rosa dos Santos e Maria Rosa.

Tinha dez anos quando viu, pela primeira vez, Nossa Senhora na Cova da Iria, juntamente com os primos Jacinta (7 anos) e Francisco Marto (9 anos). Lúcia foi a única dos três primos que falou com a Virgem Nossa Senhora; sua prima Jacinta ouvia mas não falava e Francisco nem sequer ouvia as palavras de Nossa Senhora, e como tal ela era a portadora do Segredo de Fátima. Nos primeiros tempos, a hierarquia católica revelou-se céptica sobre as afirmações dos Três Pastorinhos e foi só a 13 de Outubro de 1930 que o bispo de Leiria tornou público, oficialmente, que as aparições eram dignas de crédito. A partir daí, o Santuário de Fátima ganhou uma expressão internacional, enquanto a irmã Lúcia viveu cada vez mais isolada.

* - A data de nascimento da Lúcia, segundo ela escreveu, foi a 28/3/1907 e não a 22/3/1907 conf. consta oficialmente do Registo de Nascimento. 

Em 14 de Fevereiro de 2008, na Catedral de Coimbra em Portugal, o Cardeal José Saraiva Martins, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, por ocasião do aniversário da morte da "vidente de Fátima", tornou público que o papa Bento XVI, atendendo ao pedido do bispo Albino Mamede Cleto, de Coimbra, compartilhado com numerosos bispos e fiéis do mundo todo autorizou, excepcionando as normas do Direito Canônico (art. 9 das "Normae servandae"), o início da fase diocesana da causa da sua beatificação, transcorridos apenas três anos da sua morte. 

Assim, Lúcia ainda NÃO TEM DIA LITÚRGICO. 


(Créditos: Wikipédia e Livros de Memórias da Irmã Lúcia)

1 comentário:

Marcos Magagnatto disse...

Otimo Muinto Bom